Rio -  O governo federal deve seguir a proposta de reajuste salarial apresentada para os docentes e oferecer aumento parcelado em três anos para as categorias classificadas como prioritárias, incluindo pessoal da Defesa. As carreiras contempladas serão anunciadas no dia 31 de julho, quando o Ministério do Planejamento vai se reunir com os representantes da Condsef e do Sindsep-DF. O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, criticou a demora na apresentação de uma proposta concreta e defendeu que o governo também tem que priorizar as demais carreiras e não focar somente nos professores.
Para a Condsef, se o reajuste for parcelado, é necessário considerar a inflação do período para evitar que o aumento fique defasado. O governo tem como proposta inicial priorizar servidores das classes de base em início de carreira.